Visitantes Negócios Associações e Imprensa
Blog Instagram Facebook Twitter

Sala de imprensa


Eventos digitais e híbridos: vieram para ficar?

Publicado em: 30/07/2020

Enquanto a retomada do setor de eventos não acontece em sua plenitude em alguns lugares do país, ferramentas tecnológicas têm se mostrado a única alternativa para manter o mercado de eventos funcionando. Seja de forma totalmente digital ou híbrida, a potencialização desse segmento dentro da indústria de eventos se mostrou muito forte nesse período de pandemia. Mas será que veio para ficar? Pesquisa realizada pela PrimeTour em conjunto com a Evento Único, mostra que 95% das empresas já estão realizando eventos virtuais.

A pesquisa foi realizada com profissionais de empresas de diferentes setores e revelou que 45% dos respondentes tinham, antes da pandemia, um valor para 2020 destinado a eventos acima dos R$ 5 milhões. Destes encontros, 77% eram voltados para clientes, como lançamentos de produtos ou serviços, relacionamento e promocionais. Isso destaca a importância da realização de eventos como mola propulsora da economia.

A avaliação geral do setor mostra que o uso da tecnologia nos eventos não vai deixar de existir com o fim da pandemia. Já eram ferramentas utilizadas, mas a pandemia agilizou o processo nesse período. No entanto, o setor acredita que os eventos presenciais não vão deixar de ocorrer em função da praticidade tecnológica. “É natural do ser humano socializar e interagir, mas agora terá de ser cumprindo todas as regras sanitárias e de segurança”, afirmou o co-organizador da Expo Retomada, Paulo Octávio Almeida, em entrevista ao Maringá e Região Convention & Visitors Bureau.

Conforme dados da pesquisa, 42% acreditam que o retorno dos eventos presenciais será a partir do primeiro trimestre de 2021. Para 17%, apenas quando houver a vacina, 17% ainda não sabem, 4% disseram a partir de agosto deste ano, 2% sugerem a partir de setembro e, 2%, no quarto trimestre de 2020.

Com o avanço do uso da tecnologia para realização de eventos, agências especializadas ganharam um grande nicho de mercado, visto que a maioria das empresas que realizam grandes eventos não tem domínio sobre as ferramentas necessárias. Dados da pesquisa apontam que 77% das empresas possuem um domínio parcial sobre essa modalidade e 11% responderam não dominar. 

Confira na íntegra a pesquisa.

Em Maringá, há alguns exemplos de eventos digitais e híbridos modelo. Logo no início da pandemia, em abril, a Agência VQV Eventos, filiada ao Convention Bureau, lançou o Kick Off Digital, uma proposta que surgiu para apresentar possibilidades para realização de eventos como conferências, congressos e eventos similares.

A Sociedade Rural de Maringá, também filiada ao Convention, está realizando eventos #OAgroNãoPara em parceria com veículos de comunicação e empresa de estrutura para eventos. De modelo híbrido, o evento traz convidados especiais e mediação in loco, e transmite o conteúdo pelas redes sociais e you tube.

Em Maringá, o setor de eventos luta para a retomada gradual das atividades do segmento. Com entrega de protocolos e reuniões realizadas com o poder público, o setor de eventos da cidade se mobilizou e aguarda um posicionamento acerca da possível retomada dos eventos. O pleito do segmento, a principio, sugere retorno de eventos menores, de pequeno porte, seguindo todas as regras recomendadas pelos órgãos de Saúde.

Foto: Ilustrativa/Pixabay