PUBLICAÇÕES

Agências de Intercâmbio quintuplicam em quantidade
Agências de Intercâmbio quintuplicam em quantidade

Brasileiros e estrangeiros têm optado cada vez mais em aproveitar o período de viagens para aprender um novo idioma ou se dedicar a uma área de interesse. Para atender essa demanda crescente, o número de agências do segmento Estudos e Intercâmbios cadastradas no Cadastur, do Ministério do Turismo, quintuplicou entre 2009 e  2016, passando de 945 agências para 5.425 empresas cadastradas nesse segmento. São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais estão entre os estados com a maior quantidade de empresas cadastradas nessa ordem.

O turismo de intercâmbio tem a finalidade de ampliar o conhecimento dos estudantes e promover a troca de experiências, seja como voluntário, ensino médio, graduação, mestrado, doutorado, aprendizados de idiomas ou mesmo intercâmbio em empresas. E se por um lado muitos brasileiros vão para o exterior, o segmento também mostra um aumento do interesse pelo Brasil. Esse cenário fez com que o mercado de estudos e intercâmbio crescesse muito nos últimos anos.

Segundo Martha Ghizzo, da Associação Brasileira de Operadores de Viagens Educacionais e Culturais (Belta), os americanos e os europeus dos países nórdicos e alemães são os principais públicos de intercâmbio. “A desvalorização do real tornou o Brasil mais barato e isso pode atrair ainda mais estrangeiros”, afirma Martha sobre a situação atual. A natureza, a cultura, a música e o jeito acolhedor do brasileiro são os principais fatores que motivam a vinda deles para cá.

A Aiesec, uma organização não-governamental sem fins lucrativos, que promove intercâmbios de jovens até 30 anos em empresas ou para voluntariado, informa que de 2012 para 2015 o número de estrangeiros que vêm para o Brasil mais do que dobrou, passando de 1.570 para 3.957. Enquanto isso, o número de brasileiros que vão para o exterior, no mesmo período, saltou de 1.698 para 2.538. Para o gerente de imagem da Aiesec, Luiz Eduardo Cardozo, o que faz o Brasil atraente para esses estrangeiros são diversos fatores. “O Brasil é um país mundialmente conhecido por sua diversidade de cultura, climas e paisagens, isso estimula ainda mais os intercambistas de outros países a virem para cá”, avalia.

O alemão Martin Scholtz, esteve no Brasil em um programa de intercâmbio de janeiro a junho de 2015. Ele, que estudava negócios internacionais na Holanda, fez intercâmbio por meio de cooperação com uma universidade em São Paulo. Martin conta sua experiência: "Foi incrível! Gosto muito de conhecer novas pessoas e culturas diferentes, já conhecia o México e amei a cultura da América Latina.  No Brasil eu fui professor de inglês para crianças de baixa renda, conheci muitos brasileiros amáveis e pude continuar com o jiu jitsu num país, onde há muitos treinadores faixa-preta”, recorda.

CADASTUR – Criado pelo Ministério do Turismo, o cadastro é uma garantia ao consumidor de que a empresa funciona regularmente e pode prestar serviços turísticos.  O Cadastur, que atualmente reúne 58 mil empreendimentos de todo o país, recebe cadastros obrigatórios de meios de hospedagem, agências de turismo, transportadoras, organizadoras de eventos, parques temáticos, acampamentos e guias de turismo.  Ele dispõe ainda de informações sobre bares e restaurantes, centros de convenções e empresas de apoio ao turismo náutico, que são de cadastramento voluntário.

Para se cadastrar, o prestador de serviços deve acessar o site do Cadastur e criar um novo usuário com dados como: perfil (empresa ou guia de turismo); nome completo; login; e-mail; e CPF. Após preenchimento das informações e envio dos dados, o prestador de serviço receberá por e-mail a confirmação de registro com login e senha para dar continuidade ao processo. Somente após a homologação do cadastro pelo Órgão Delegado de Turismo, o prestador de serviços irá receber o certificado de regularidade emitido pelo MTur, válido por dois anos.

FONTE: MTur / Foto: - Rio de Janeiro (RJ). Crédito: Werner Zotz